Passado, nossa prisão?

Enfim, a vida universitária chegou ao fim nesse semestre. Terça-feira entrego o meu último trabalho e então... férias!

Essa semana, apesar de ter que terminar uns trabalhos da faculdade, eu comecei a ler 'Memorias del Subsuelo' (em português: Memórias do Subsolo) de Dostoiévski. Não quero fazer qualquer resenha do livro, porque afinal de contas, resenha de livros eu sou obrigado a fazer todos os dias no meu trabalho para inserir materiais na Base de dados da biblioteca.

Comecei a fazer um paralelo com a nossa vida. No começo do texto, o narrador
fala de uma doença que ele tem há vinte anos e não quer se curar, parei pra refletir e acabei traçando paradoxo com a nossa vida, o que Dostoiévski sempre faz comigo quando o leio. Esse paradoxo envolve o passado.

Nesses ultimos meses eu tive diversos flashs que me fizeram rememorar o meu passado, coisas que eu expressei aqui nesse espaço no post (vide post
Saudades...) e também estava conversando com uma amiga minha que anda se sentindo bastante presa por esse tempo.

Apesar de sempre estarmos querendo buscar algo novo, parece que existe um imã afetivo que nos prende ao passsado. O passado acaba nos parecendo maravilhoso. Parece que o passado é melhor do que o futuro, que nele estamos mais seguros, conhecemos melhor e sabemos lidar melhor com o passado que com o futuro.

Lembro agora de um texto que li de um psicólogo cristão, Henri Nouwen, que fala num de seus livros sobre a necessidade que temos de nos livrarmos do passado e nos lançarmos em busca do novo, mas... será que estamos preparados pra isso?

Porque nunca conseguimos nos libertar de lembranças, sentimentos e pessoas do passado? Porque vivemos remoendo fatos e rememorando situações? Será que não somos presas do nosso passado? Será mesmo que o nosso futuro tem que estar baseado no passado?

Acho que eu deveria parar de ler
Dostoiévski, não anda me fazendo bem...hehe

Rrá!

13 commenti:

Leonardo Werneck { 25 de junho de 2008 21:15 }
passado é nossa prisão sim, mas por mais doloroso que seja recordar, a gente não quer se livrar disso.Tudo ao nosso redor faz lembrar um momento vivido, é inevitável não reviver isso, o que não podemos na verdade é viver o passado, não deixar o passado passar, não querer viver o presente, isso não podemos fazer nunca. Mas lembrar? sim... pra sempre, passado após passado.
Latinha { 26 de junho de 2008 11:55 }
Rapaz...

Tú é muito chique... Dostoiévski?!

Bom... já que a coisa é "séria", tem um "conhecido" que talvez possa te dizer algo legal sobre tua pergunta... eu concordo bastante com ele... espero que ajude (depois me conta!!!)

http://ruben.zevallos.com.br/2004/3/30/Pagina959.htm

Abração!

(Por falar em terminar a vida universitária... digamos que eu vou protelar o fim da vida universitária de muita gente, ui!)
Talvez eu conte... um dia. { 26 de junho de 2008 12:28 }
A verdade é que gostamos de ter essas lembranças... e por mais que algumas nao sejam tão boas, insistimos em tê-las com a gente, seja pra nos martirizarmos, seja pra tentar aprender com aquilo...
O passado só é bom quando nos faz crescer, mas principalmente qnd nos deixar viver o presente...
Eu, por exemplo, ultimamente ando tão presa a coisas do passado, que não consigo viver minha vida tranquilamente, como deveria...

´Só sei que a tempo pra tudo... pra recordar e pra viver!

;*
Vinícius Aguiar { 26 de junho de 2008 17:49 }
brevemente vou postar um texto a respeito do que eu penso sobre o passado... mas basicamente eu diria que ele faz parte da nossa vida, e como tal, não pode nem deve ser totalmente esquecido....
abraços!
Míope { 26 de junho de 2008 20:25 }
Um passado "bem passado" dá gosto de lembrar...Um passado "mal passado", acaba sendo lembrado também...

Mas, como diz minha mãe: "tudo em excesso faz mal."

Eu também preciso aprender a deixar o passado nele mesmo.

Abç!
Srta Diazepan { 26 de junho de 2008 21:38 }
acho que estamos num momento nostalgia né...

beijos
Ultra Violet { 28 de junho de 2008 12:03 }
Deve ser porque é muito mais fácil lidar com o que está acabado e pronto do que com o novo, pois ainda acontecerá e não se sabe como.

Mas, olhar para o passado é importante sim. Com o passar do tempo, vc tem outra perspectiva dos acontecimentos e acaba lembrando dos fatos não como realmente foram e sim pelo que representam para vc visto com os olhos do agora. Ilusão de ótica.

Meio confuso, não? rs

Bjs.
Igor Lessa { 29 de junho de 2008 03:20 }
Talvez o passado nos dê a impressão de algo, mais sobre controle do que o futuro. Afinal, já passou e cá estamos. Talvez seja também algo com nossa mania de idealizações... Se hoje voltassemos às antigas cenas, nem tão boas seriam, eu acho...

Mas olha: Não vá parar de ler Dostoiévski, em! rs


Um abraço!


Olhando Pra Grama - Crônicas de um ansioso
Pedro { 29 de junho de 2008 11:56 }
Dei uma olhada nesse livro, mas não cheguei a comprar. Li O Idiota e Crime e Castigo. Estou pra ler Os Irmãos Karamazov. Falta só o tempo. Vou ver se consigo nessas férias...
Mariana { 29 de junho de 2008 19:21 }
O mais dificil da vida é viver o presente...

pensamos no passado e planejamos o futuro.. quando vemos não há presente para agirmos...


beijoss
Ariana { 29 de junho de 2008 19:51 }
Ai não acho o meu passado melhor não!rs
As vzs queria voltar no tempo e fazer tudo diferente!



Beijo*
camila { 30 de junho de 2008 07:46 }
Nossa: P A S S A D O...
Que medo!
Se observar meu blog a maior parte dos meus post é sobre esse assuto! Estou presa no passado... mas estou conseguindo fazer um túnel e fugir dessa prisão.
Beijo
=)
Latinha { 30 de junho de 2008 10:55 }
Boa semana!!!
Abração.