Solilóquios sobre a Liberdade


"...A liberdade é do tamanho da corrente..."
(Kleber Albuquerque)


Liberdade! Este conceito tão estranho que a cada dia conheço uma nova faceta. Primeiramente aprendi e creio nisto, que a origem de toda a liberdade é a Trindade Bem-Aventurada, que criou os homens para serem o que quisessem ser.

E o que é afinal esta liberdade? Esta pergunta consome o homem desde a eternidade e atualmente anda me consumindo também. Será o ‘carpe diem’ dos Arcadistas? Será a subversão dos anarquistas? O que é afinal a liberdade?

Exatamente neste momento descobrimos a amplitude deste termo. Uns dizem: Sou livre, se me rebelo contra o sistema! Rebeldia é liberdade? Não consigo pensar assim! Rebeldia, pra mim, é doença de adolescente que quer ser gente grande e não passa de uma criança evoluída e como disse anos atrás, o meu professor de Sabedoria Proverbial: ‘O máximo de conceitos, com o mínimo de conteúdo’.

O que é liberdade? Liberdade é subversão? Subversão? Depende! Subversão tem limites e aplicações. Demasiada ela causa estragos inigualáveis. Tudo em excesso causa efeitos colaterais.

Liberdade! Liberdade! Liberdade! O que é liberdade? É o ‘carpe diem’ dos arcadistas então? Também não, mas pode ser uma forma de viver esta liberdade esse tal ‘carpe diem’, mas que infelizmente eu ainda não aprendi a viver.

Então o que é liberdade? Depois que esta procura ficou cansativa, estive cansado... entrei dentro de mim e comecei a pensar...refleti e concluí pra mim mesmo, que ser livre é ser o que sou da forma mais plena, aceitando tudo o que eu sou.

Cheguei a esta conclusão, embora ainda me pergunte: será mesmo isto? Um caso a se pensar!

Rrá!


Créditos da imagem: Por do sol na Communauté de Taizé, França.
© Ateliers et Presses de Taizé

11 commenti:

Filipe Garcia { 7 de agosto de 2008 17:27 }
E aí, Luifel, tudo certo?

Eu também não sei o que é liberdade. Tem gente que acha que liberdade é saber voar. Por que não posso ser livre dentro do meu quarto? Liberdade deve ser um estado, algo que se conquista fazendo aquilo que se quer. No final, acabo concordado com você, ou seja, "ser livre é ser o que sou da forma mais plena".

Abraços.
Luiz Guilherme { 7 de agosto de 2008 18:39 }
Pois bem, como dizem os que cantam quando a professora pede:

" Liberdade! Liberdade!
Abre as asas sobre nós
Das lutas, na tempestade
Dá que ouçamos tua voz. "

Pois bem, poucos sabem a letra do Hino de Proclamação da República mas está aí o refrão...

Eu acredito muito no conceito de liberdade compreendido na física quântica, onde quando conseguimos nos ver através de olhos alternativos e perceber o que conquistamos através de nossas escolhas e mudanças na realidade, além de perceber como poderia ter sido se tivéssemos escolhido outros caminhos, aí podemos analisar que somos livres no direito de escolha e no quesito "controle de nosso futuro".

Sim é difícil o que escrevi mas é muito real...
Pedro { 7 de agosto de 2008 22:51 }
Aceitar o que se é é um dos passos para a liberdade.
Ultra Violet { 8 de agosto de 2008 02:32 }
A auto-aceitação é um desafio tão grande, pq implica em aceitar-se também aos olhos dos outros.

Liberdade, ao pé da letra, acho muito difícil, porque nossas escolhas sempre influenciarão na vida de outras pessoas. Para o exercício pleno da liberdade, teríamos que simplesmente esquecer o outro e que vivemos em uma sociedade cheia de regras e padrões.

Mas, ainda temos o livre-arbítrio.

Bjs.
Ultra Violet { 8 de agosto de 2008 02:33 }
Ah, não leve tudo muito a sério o que eu escrevo! às vezes , estou de TPM e gosto de ser implicante.rs

Bjs.
Igor Lessa { 8 de agosto de 2008 08:46 }
Uma vez li em algum lugar uma definição de liberdade que não me arrisco a dizer, assim, como uma verdade absoluta, que é a melhor definição. Mas dizia algo como:
"a liberdade é uma cela maior".
Putz, como eu concordo...


Um grande abraço, meu amigo!


Olhando Pra Grama - Crônicas de um ansioso
Stephanie { 8 de agosto de 2008 17:40 }
Oi, Luifel,

obrigada pela visita =)

gosto muito das idéias existencialistas, sabe. Eles achamavm que o homem está fadado a ser livre, porque tem o direito de escolher. Tem inclusive o direito de abrir mão dela quando se compromete com certas coisas que limitam suas possibilidades.

eu gosto de acreditar que sou livre da forma como posso, dentro das escolhas que faço =)

beijo
BARUD, Rômulo { 8 de agosto de 2008 19:54 }
Fala Luifel!!

Depois de 300 anos voltei com o blog, só que tive que criar outro... o http://deznada2.blogspot.com/ . Depois dâ uma passada lá.

O que seria liberdade? Na minha opinião, não é nada. Até porque a sua liberdade começa quando a do próximo termina. A rebeldia é um chilique psicológico. O livre-arbítrio é tão liberal que pode dar cadeia, que não mostra liberdade (definitivamente). A auto-aceitação não entendo como liberdade plena pois só do fato de descobrir limites já fico preso neles.

O nada é a maior demonstração de liberdade. Quem controla este fator? O "tudo"? O tudo só preenche, mas não limita em nenhum aspecto.

A natureza (espaço) nos ensina maislições que poderíamos imaginar...

* Não repare o quê filosófico (fumado). estive dividindo a tarde inteira a sala de professores com um professor de filosofia e outro de sociologia. Isto não presta hehehe. Definitivamente.
carla m. { 9 de agosto de 2008 02:40 }
Luifel, querido,

liberdade é tão complicada né?! exige um senso de limite... nos enganam dizendo que é a ausência.

amei teu texto, tão maduro!

beijos
felipe { 9 de agosto de 2008 09:23 }
texto interessante e questionamento idem.
Para mim, liberdade é ser feliz, cada um a sua maneira.
Abraços
felipe

www.muitoadeclarar.zip.net
Ariana { 9 de agosto de 2008 10:33 }
Acho que liberdade deve ser mais um estado de espírito!

Lindo o texto!

Beijo