Loucura: justa medida da normalidade

"Os homens são tão necessáriamente loucos que seria louco,
de uma outra forma de loucura, não ser louco"

(Blaise Pascal, Pensées, nº 412)

Blaise Pascal é o meu filósofo favorito. Esta frase de Pascal sempre me chamou atenção, mas eu nunca entendi realmente o seu real significado. Talvez fosse algo que transcedesse a minha capacidade intelectual entender o que ele quis dizer com isso. Acreditava nisso até a semana passada.

Como estou no final do curso, a Universidade me permite liberdade para dar o direcionamento que quisermos dentro da nossa área. Eu escolhi fazer arqueologia e não estou arrependido. Arqueologia é realmente algo surreal! É fascinante cada aula que assisto, aprendo coisas fodásticas!

Deixando as digressões de lado, comecei a ler um texto de Lévi-Strauss. Esse texto de Strauss fala sobre o funcionamento da sociedades do ponto de vista da análise sociológica. Num certo momento, Strauss chega a afirmar que quem mantém o padrão de normalidade dentro de uma sociedade são aqueles a quem, essa mesma sociedade (como um todo), classifa e outorga o papel de LOUCOS e espera que eles desempenhem esse papel. Num outro ponto do texto, esse antropólogo ainda afirma que a sociedade, na verdade, é um grupo heterogêneo formado por vários outros subgrupos relativamente homogêneos na maneira de pensar, agir e interagir com o mundo e com os outros indivíduos.

Pus-me a pensar e concluí que, de fato, o que ele afirma é verdade. Nós não pensamos, enxergamos a vida ou agimos de formas semelhantes, mas de formas diferentes. É verdade, porém, que existem pessoas que interagem como o mundo de forma parecida. O mais interessante é constatar que, para todos os que fogem do nosso "padrão" de normalidade, conferimo-lhes a alcunha de LOUCOS e saimos filosofando sobre os 'N' motivos pelo qual desaprovamos a atitude daqueles que pensam ou reagem de forma diversa da nossa.

Diante de um panorama desses, fica mais fácil entender e compreender Pascal. E ele, de fato, estava certo mesmo!

No fim das contas, somos todos loucos. De fato, para nós humanos, ser ''normal'' seria loucura!

Rrá!

16 commenti:

Ultra Violet { 25 de setembro de 2008 18:41 }
Eu prefiro a loucura, pq nela vc é mais espontâneo , sai do lugar comum e vai em busca dos seus desejos.

É apenas uma questão de ponto de vista. Tudo que é desviante , é taxado de incomum.

Bjs.
carla m. { 25 de setembro de 2008 18:56 }
De perto ninguém é normal, já dizia o poeta.

Eu acho que essa é a beleza da vida. Sendo do bem, eu prefiro os loucos. Tem uma genialidade que só a falta de limites permite. Alguns são cansativos, outros apenas excêntricos. Mas em que medida nós não somos pra eles?!

eles se libertaram de nós. E nós insistimos em tentar prendê-los.

Beijo pra ti Luifel!
Vinícius Aguiar { 25 de setembro de 2008 20:20 }
Esse conceito de "loucura" está diretamente preso a nossa forma de ver o mundo, e esta de fato é bem divergente! Acho que acima de tudo deve estar o respeito, e assim, a sociedade pode viver numa maior harmonia, se é que isso ainda é possível nos dias de hoje!

PS- Obrigado pelos elogios, e conheço muito bem a música do Roupa Nova, que por sinal, sou fã incondicional!
Camila { 26 de setembro de 2008 08:15 }
"Os homens são tão necessáriamente loucos que seria louco,
de uma outra forma de loucura, não ser louco."
Não consigo parar de pensar nisso!
o.O
Beijos
Janete Andrade { 27 de setembro de 2008 15:47 }
todos nós deveríamos acrescentar uma dose de loucura na vida!
Ariana { 27 de setembro de 2008 18:41 }
Também prefiro a loucuraa!
Acho bem mais interessante!

Beijo
Clecia { 27 de setembro de 2008 20:37 }
É pura verdade. Todos nós temos um pouquinho de loucura. rsBjos e um ótimo domingo!
Quase Trinta { 27 de setembro de 2008 20:41 }
Eu sou louca e admito... o engraçado é que qd digo isso as pessoas não acreditam...
Arquiologia?? q legal...
Welker { 28 de setembro de 2008 19:49 }
Lembro-me de ter lido em algum lugar que a loucura estava ficando banal... só não sabia que essa era uma frase antiga.

Se ser louco é normal, seria normal ser louco, apesar da loucura ser normal... ah, eu vou parar por aqui, estou ficando estrábico...
Igor Lessa { 30 de setembro de 2008 22:05 }
Eu tinha certeza disso, mas de qualquer forma, obrigado por confirmar! ;)

hehehe

Grande abraço!



Olhando Pra Grama - Crônicas de um ansioso
carla m. { 1 de outubro de 2008 13:53 }
Luifel,

passa lá no Dos Crimes pra pegar um presentinho.

beijocas!
Thiago { 2 de outubro de 2008 16:31 }
afinal, quem é normal?
Leonardo Werneck { 2 de outubro de 2008 17:28 }
tem um selo pra ti no meu blog!

Abração
Pedro { 4 de outubro de 2008 01:19 }
Loucura é uma forma de estar no mundo.
Filipe Garcia { 4 de outubro de 2008 11:52 }
Ler você é ter uma aula de conhecimentos. Muito bom aprender mais sobre Pascal e refletir sobre loucura X normalidade.

Abraço!
Identidades Fragmentadas { 17 de outubro de 2008 22:11 }
A sociedade que cria e regulamenta a loucura é a mesma que, eventualmente, tem a capacidade de avaliar a normalidade na qual seu povo vive. Acabo por gostar da opção que a loucura proporciona, pois liberta indivíduos de um paradigma de que tudo vivenciado precisa estar dentro de uma fôrma ou pertencer a algo imposto. Liberdade é loucura, ao meu ver!