Esperando pelo novo...


"Abrir portas aos sonhos
É como pôr janelas ao vento."

(O mensageiro ferido, Emili Boïls)

Quando chegamos a essa época do ano, nos encontramos com sentimentos paradoxais. Alguns com sentimento de alívio e esperançosos pelo novo ano que vem, outros meio melancólicos pelo ano que fica para trás. É sempre assim na maioria das vezes. No fundo é bom, pois, ao menos sabemos que - esse ano que está se findando - foi vivido com intensidade, seja de alegrias ou de tristezas.

Já refleti - em alguns momentos desse ano - sobre o que eu penso sobre a felicidade em diversos momentos desse ano, por isso, penso que apesar de todas as dificuldades que vivi neste ano que se finda, eu subi mais um degrau rumo a minha felicidade plena.

Agora, porém, é o tempo de esperança. Os sofrimentos, lutas e dores do passado, do ano que finda, dão lugar a esperança de um tempo melhor. E esquecemo-nos de tudo o que passou, corremos como loucos em busca do novo. Sim, esse novo que encanta e assusta, mas que nos dá forças para continuar, porque temos esperança e, como diz o escritor valenciano Emili Boïls: "tudo é fácil quando se vive na esperança".


E um novo ano é isso: um novo recomeço, a esperança em algo totalmente novo, é um renascer. São as novidades da futura passagem do ano que alimentam a sede do homem pelo novo. Essa sede pelo novo é o que o motiva a cada dia viver o hoje e a buscar o futuro, sempre melhor do que foi ontem e está sendo hoje.


E assim vai sendo, sempre em busca do novo, do melhor, do mais perfeito, de ser mais plenos e felizes, em busca de uma vida nova.


Adeus 2008, e que venha 2009!

AbRrá a todos! Que os ventos soprem a favor de todos em 2009!

Il Natale...

“Gloria in altissimis Deo, et super terram
pax in hominibus bonae voluntatis”.

(Lc 2,14)

Alguns amigos meus me falaram rancorosamente sobre essa festa - que tenho imenso apreço - uns com raiva, outros com um ranso de cansaço e falsidade que as algruras da vida familiar acaba colocando em alguns corações.

Confesso que fiquei chateado de pensar que o Natal para as pessoas se tornou isso: uma festa calcada na falsidade, onde nossos rancores pessoais tomam lugar à possibilidade de vivermos bem e de tentarmos ser felizes novamente.


Quando Cristo veio à terra na forma de uma criança, certamente fez isso para unir o Homem novamente a Deus - assim eu, como cristão, acredito - ou seja, para reconciliar os que estavam em discordia, desunidos.
Por isso, sempre que chega o Natal, vejo-o como uma oportunidade para recomeçar tudo outra vez; esqueço minhas dores e começo a me encantar pelo encanto que tem esse tempo na nossa vida: as luzes, os pinheiros, o presépio e, principalmente, o rosto das pessoas que se enchem de gáudio pela festa próxima.

Me alegra poder ver a alegria na face das pessoas. Pode ser inocência minha, mas é algo que encanta - nesta sisuda cidade de São Paulo - ver como o clima da cidade se transforma. Todo mundo se torna mais manso, mais fraterno nessa época e meus amigos dizem que é tudo "falsidade"!
Eu, porém, não penso como eles.

Ainda acredito no ser humano e me deixo encantar pelo Natal. Ainda posso ver que o Natal - apesar de todo consumismo e dos rancores existentes - é capaz de deixar o homem mais humano, mais fraterno, mais pacifico, mais aberto à caridade.
Talvez, meus amigos estejam certos e o Natal possa ser tudo aquilo que eles dizem mesmo. Eu porém nunca vivi isso e vejo o Natal, mesmo com as dores e sofrimentos, como uma oportunidade de viver algo novo.

Penso que, se vemos o Natal somente pelo seu lado negativo, não confiamos na capacidade de renovação de nós mesmos e dos outros e isso, é falta de fé na vida, nos outros e - principalmente - falta de fé em si mesmo.

A todos os meus leitores, os melhores votos de FELIZ NATAL!


AbRrá!



Crédito da Imagem: retirada de http://sede-de-deus.blogspot.com. Representa uma cena comovente na vida de Francisco de Assis, cena na vida deste grande homem que me admira, sempre que leio.

Conspiração (ou busca) da Felicidade...


“I'm trapped inside my conspiracy of happiness”.

(On a High, Duncan Sheik)


É estranho como somos seres poéticos. Sim, somos seres totalmente poeticos! Muitos podem dizer que - Não, eu odeio poesia, romantismo etc - mas tudo isso é um simulacro hipócrita porque todos nós somos - de alguma forma - seres poéticos.

Todos nós corremos atrás daquilo que nos faz felizes, corremos desenfreadamente atrás da tal FELICIDADE. Sim, corremos desesperadamente porque nunca aprendemos a viver senão correndo atrás dela, sempre! Mas qual a correlação entre a busca da felicidade e o sermos poéticos? Simples, buscamos uma felicidade poética.

Todos queremos ser felizes de uma forma perfeita, mas esquecemos de algo importantíssimo - a capacidade humana de sermos falíveis. Esquecemos que somos errados, que os outros também são errados, que tudo é passivel de falhas e ficamos procurando, procurando e procurando. Acabamos, então, vivendo eternamente naquela coisa blasé que o Kid Abelha soube tão bem retratar na musica "Nada Sei".

De repente, somos mais um naquele mar de gente que se considera infeliz & triste & frustrada porque não encontrou a felicidade. Mas ai, me pergunto: A felicidade é pra ser vivida ou pra ser encontrada?

Será que não vivemos buscando a felicidade, enquanto tudo o que temos que fazer é tentar vivê-la?

Tenho medo de - no final da vida - reconhecer que deixei a oportunidade de ser feliz passar porque fiquei preso na minha conspiração ou busca da felicidade. No fundo, como disse antes, somos todos seres poéticos, vivemos buscando algo fantasioso e acabamos fugindo e perdendo o real, a beleza, o encanto e nobreza da realidade - nua e crua - porém, doce e terna, quando aprendemos a ciência do bem viver.

Bem, é mais ou menos isso!

AbRrá!


Crédito da Imagem: Retirada de: www.flickr.com/photos/mallmix/2060526186/

Crônicas de uma vida Bibliotecana....


Atores: Eva, Andréa (Apocrypha), Daniel (Urso) e Fábio (Gangs).
Narrador: Luifel

Take I

[Andréa de braços abertas]
Eva - Nossa! A Andréa ta de batom...!
Urso - Niver, niver, niver...
[Andréa ainda de braços abertos...]
Eva - Ah é...

Take II

Andréa - Eu não vou fazer tesauros no TheW32...
Fábio Gangs - O TheW32 pode ser usado até por um Macaco...
Andréa - Ok, então eu te dou uma banana!

Take III

Luifel - Acho que isso [take II] vai gerar um post no meu blog...
Urso - "Eu sou uma musa!"
Andréa - Isso é foda!
Fábio Gangs- Kkkkkk

[Nota do redator...: Descrições físicas de urso: 1,90, barbado e com quase 100kg... Damn it!]

Take IV

Os bibliotecanos lendo a entrevista da "genial" cantora teen Mallu Magalhães para zoar... De repente se deparam com a "elucidativa" frase...
"Acho que o mundo é completamente talvez" (Mallu Magalhães)

Fábio Gangs - É, acho que isso é meio blasé...

Esse sãos os gangs...

AbRrá!