Odiosa guerra fratricida...

"Nunca houve uma guerra boa nem uma paz ruim."

(Benjamim Franklin)

Cada dia que leio o jornal contemplo, com horror, os fatos no Oriente Médio. Desde que terminamos a IIª Guerra Mundial e os judeus foram 'repatriados' essa guerra nunca mais acabou. Ela vai e volta num ciclo interminável e odiável.

A tradição judaico-cristã, avoga para os judeus a posse dessa terra, assim como a tradição muçulmana, avoga para os palestinos a posse desta mesma terra, e a guerra nunca termina, é eterna. Isso me fez pensar até onde vamos a partir daquilo que acreditamos.

Nossas convicções pessoais devem ser seguidas a todo custo, pois é a maior prova de fidelidade ao seu ideal - assim diz François Van Thuan - um homem que lutou contra o socialismo, mesmo estando preso numa prisão vietnamita. Mahatma Gandhi ainda diz que: "Acreditar em algo e não o vivê-lo é desonesto."

Eu - porém - fico pensando: até onde devemos ser fiéis aos nossos ideais? Até onde nossos ideais devem ser de certa forma 'traídos' em favor de uma concórdia para todos, como no caso da guerra Palestino-Israelense?

É absurdo que a paz entre duas nações seja tratada como assunto de convicção pessoal. Até quando vamos tratar o futuro de um povo e, quiça, do mundo todo, a partir de um paradigma pessoal?

Essa guerra é totalmente sem fundamento, é ilógica! Por que importa tanto a Israel a posse dessas terras da Faixa de Gaza? Eles não podem, sensatamente, ceder essas terras aos palestinos? Para mim, isso - apesar de todas as convicções pessoais, etnológicas e religiosas - não passa de uma odiosa guerra fratricida!

Bom, é mais ou menos isso!

AbRrá!

11 commenti:

Quase Trinta { 7 de janeiro de 2009 19:05 }
Vc faz uma excelente pergunta sobre qual todos devemos refletir: até que ponto devemos ser fiéis aos nossos idéiais??

Pessoas inocentes, cçs morrendo, isso justifica um ideal??
@line-;-- { 7 de janeiro de 2009 21:09 }
Vc tem razão lufiel.
Em algum ponto da história eles perderam o fio da meada, mas nenhum lado quer ceder por razões ideológicas e principalmente religiosas. Essa guerra é desde o princípio do mundo (vide bíblia) e lamento informar, mas vai até o fim do mundo.

bjm
Latinha { 8 de janeiro de 2009 00:41 }
Meu amigo... eu fico olhando e honestamente não entendo nada! A muito as pessoas se perderam...

Gostei muito do teu texto...

Olha só, está rolando uma brincadeira (Meme), a pessoa tem que dizer 5 coisas sobre si... queria te convidar a participar... mais como uma chance de podermos conhecer mais sobre uns dos outros do que por brincadeira. Mas fica a vontade, ok!

Grande abraço para você!
Qualquer hora colocamos o papo em dia.
Beki Girl { 8 de janeiro de 2009 12:48 }
É vejo que não é só eu que vejo essa guerra como algo ridiculo!! Por mais que eles teem o direito pelas terras, não deveriam resolver as coisas assim! Enfim, até onde o homem é capaz de ir pra satisfazêr seus desejos!? E conseguir dinheiro? Porque apesar das terras serem deles, eles agora só estão em busca delas por motivo do petroleo que nela tem! Porque se não fosse isso, não estaria aonde está!

Gostei do texto e do blog

beijos
Thiago { 8 de janeiro de 2009 18:19 }
digo e repito, é a santa ignorância humana!
carla m. { 9 de janeiro de 2009 12:26 }
Luiz, querido,

pois então, eu acho que não se trata de deixar ou não de acreditar nas convicções pessoais. eu sou daquelas bobas românticas que acha que temos que mudar as convicções pessoais dos outros, mesmo que isso seja demorado.

Não é a tradição judaico cristã que diz que aquelas terras são de Israel, nem a muçulmanas, que diz que são da Palestina. são os homens e seus interesses. é um conflito por terra, não por pátria, pode ter certeza.

é triste, todo mundo sonha com o fim desta guerra, menos os superprotegidos líderes dos dois povos...

abraço,
PULCRO { 9 de janeiro de 2009 17:15 }
Homens loucos. Ideologia besta.
Leonardo Werneck { 9 de janeiro de 2009 18:23 }
Eu sou Judeu e me envergonho sinceramente da atitude de Israel. É uma guerra sem objetivos(?), sem conquista. Se Israel usasse todo o armamento bélico fornecido pelos americanos com alguma utilidade, que seja ao menos de conquista territorial... deixaria de ser quem é. Mas nunca subestimem o poder do povo de Israel.


Abraço
Thyago David. { 10 de janeiro de 2009 15:44 }
Você foi muito feliz no texto,
se pelo menos 1/3 da humanidade compartilha-se esse pensamento o mundo não estaria portando tantos conflitos infudados.. =/

Muito bom Luiz.

:D

Pode lincar sim, to fazendo o mesmo.
Excelete seus textos.
Abraço.
Lizzie { 11 de janeiro de 2009 09:46 }
Luifel,
Fico de certa forma feliz em ter lido seu texto, porque vejo que não sou a única a pensar que todo esse horror só há de servir para gerar mais guerras e discórdias.
Até que ponto seguir com os ideais ao ver uma humanidade sofrendo, pessoas (sejam elas da mesma nação que você ou não, não importa!) morrendo cruelmente, famílias inteiras sendo destruídas... Até que ponto vai a estupidez em nome de um ideal?
Terrível...


Beijocas
www.lizziepohlmann.com
Welker { 11 de janeiro de 2009 12:01 }
O gato não tem motivos aparentes para brigar com o cachorro, mas infelizmente isso acontece.