Sempre avante num infinito nada...

Tenho as vezes pouca noção do tempo
Perco-me de mim mesmo em questão de segundos
Vago perdido em meus pensamentos...
Profundos, surdos, mudos
Tenho impressão que saí do mundo.

Estou perdido de mim mesmo,
Não sei onde me encontrar
Já busquei nos cinco continentes
Porém, em nenhum deles me achei!

Tenho medo, confesso
Medo de viver, medo de morrer
Medo de ser feliz, medo de sofrer
Medo de crescer, medo de estagnar
Medo de sonhar, de idealizar, medo de ser

Talvez eu não passe de um simulacro
Uma coisa dantesca e grotesca
Quem sabe? Juro que ainda não me conheço
Talvez porque, minha vida seja, no fundo...
Um ontem mal resolvido, ainda.

(Luifel)

Crédito da imagem: Nikolay Okhitin.

12 commenti:

Thiago { 29 de janeiro de 2009 16:32 }
um indivíduo ímpar.alma leve.
abraço apertado!
@line-;-- { 29 de janeiro de 2009 17:57 }
quer pessoa mais interessante que vc?

a graça de viver é esta eterna busca ao encontro de nós mesmos.

bjm
Leonardo Werneck { 29 de janeiro de 2009 18:09 }
É cara, mas o medo é muitas vezes o que nos impulsiona para conseguir o que a gente quer e o que a gente nem sabia que queria.


Abração
Zingador { 29 de janeiro de 2009 20:27 }
Rapaz, tenho lido muita coisa que me encontro, mas igual a esse poema ainda não encontrei. Olha que Bethânia tem muita coisa que ouço e choro, mas esse seu poema...
tenho tanto medo de me perder em meus pensamentos, que as vezes rezo para parar de pensar e ainda assim não consigo.
e como você diz: "... eu sou um ontem mau resolvido..." e completo, que não para de pensar no que poderia ter feito e no que poderá fazer.
Voltarei sempre ao seu espaço.
Abraço perfumado
Palavras de um mundo incerto { 29 de janeiro de 2009 21:11 }
Ainda bem que o medo te trouxe para a consciência da vida.

Abraços!!!


Marcos Seiter
Cássio { 29 de janeiro de 2009 23:52 }
Logo vc se acha...
Míope { 30 de janeiro de 2009 21:29 }
"Meu conselho para os que querem se encontrar é continuarem bem onde estão.
Do contrário, é grande o risco de se perderem para sempre."

(Jostein Gaarder)

Enfim, o medo também nos protege de muita coisa. O negócio é viver pra ver.

;D
FOXX { 31 de janeiro de 2009 01:29 }
oi rapaz!


poético...
Thyago David. { 31 de janeiro de 2009 15:44 }
o medo é inerente ao ser humano.
A busca é continuo .. ;]


Muito bom.
Abraço rpz.
[ rod ] { 31 de janeiro de 2009 20:12 }
Coincidência nos guiarmos em bússola, mas é em razão que te digo... o medo é uma forma de coibir nossos desejos de crescimento.

Não ao medo!!!

Abçs meu caro,









Novo Dogma:
oriEnto...


dogMas...
dos atos, fatos e mitos...

http://do-gmas.blogspot.com/
Camila { 2 de fevereiro de 2009 11:13 }
Morro de medo também!
Sou medrosa convicta, mas não me importo tanto em ser assim.

Faço das palavras e Aline as minhas!

Lindo lindo, meu bem!

Beijos

Ps. Desculpa a demora em vir aqui, mas prometo não fazer isso mais. Eu fico com saudade, sabia?
Anônimo { 3 de outubro de 2010 15:34 }
intiresno muito, obrigado