Fim de jornada : solilóquios urbanos


"Preciso eu mesmo tomar consciência do que sou e do que significo nessa brecha de tempo"

  (Caio Fernando Abreu, Itinerário. 
In: Inventário do Ir-remediável)

Ser cosmopolita é algo que está além do meu pobre entendimento. Sentado, aqui, observo tudo e todos, gentes tão díspares e - ao mesmo tempo - tão semelhantes, diferenças que fazem um deslumbrante constraste e, repentimente, o diferente se torna belo porque em conjunto e, tomada sobre uma visão de conjunto fascinam.

Uns se beijam apaixonados enquanto dividem um sorvete, outros conversam sobre negócios, viagens, casamento, felicidade, plantas, filhos, preocupações do dia-a-dia... Pequenas e grandes esperanças! Repentinamente, o burburinho, o misto de vozes misturadas, assuntos misturados, sons, desejos, sorrisos..e quem sou eu?

World Citizen, diz a filosofia do mundo globalista. Eu, meu status, meu cargo, meu dinheiro, minhas conquistas, eu... e nada disso... nada disso sou EU, apenas informam o mínimo sobre mim, mas não me dizem quem sou. Who am I? Eu, bancário, advogado, estudante, engenheiro, trabalhador rural, office boy, operário...

Eu que visto calça, camisa e sapato, tenho a barba desgrenhada e por fazer como tantos outros. Coço o cabelo. Por favor, me vê um café!.. Enquanto fico fazendo as contas para pagar as dividas do final do mês.

Eu, neste emaranhado de gentes: lutas, desejos & sonhos. Tudo, todos & eu... Quem sou eu? Eu que tomo café, que tomo sorvete, que compro o jornal, que grito, que abraço, que choro, que chamo o garçom... Bevette più latte. Eu, que filosofo com um copo de breja, eu... C-O-S-M-O-P-O-L-I-T-A!

En cierta mañana un hombre ahogase en su próprio cuerpo. Como cosmopolita, sou nada e tudo, sou comum, sou parte dessa gente e, ao mesmo tempo, diferente, único. Qual meu lugar no mundo?

Eu e todos,
eu e ninguém,
eu sou todo mundo e sou ninguém.
Eu, citadino, cidadão do mundo!

9 commenti:

[ rod ] ® { 18 de outubro de 2009 14:21 }
em línguas consegues transitar e transpor o ar cosmopolita a que desejas... o mundo é vasto, meu caro, e mais ainda acelerado... abs.
FOXX { 18 de outubro de 2009 21:04 }
lembro desse texto...
bem, ser cosmopolita, pra mim, é poder transitar entre universos distintos, acredito q vc faz isso mto bem...
Thiago Ya'agob { 21 de outubro de 2009 16:58 }
Who am I? - Music by Casting Crowns (Ouça depois se puder)

Parte da tradução feita pelo cantor gospel PG (ex-Oficina G3):

Quem sou eu?
Pra que o Deus de toda terra
Se preocupe com meu nome
Se preocupe com minha dor

Não apenas por quem sou
Mas porque Tu és fiel
Nem por tudo o que eu faça
Mas por tudo o que Tu és

Eu sou como um vento passageiro
Que aparece e vai embora
Como onda no oceano
Assim como o vapor
E ainda escutas quando eu chamo
Me sustentas quando eu clamo
Me dizendo quem eu sou

Quem sou eu?
Pra ser visto com amor
Mesmo em meio ao pecado
Tu me fazes levantar

Eu sou Teu!

...

Você sumiu do Debaixo das Asas, do MSN. O que há?
Ana { 25 de outubro de 2009 17:47 }
A cara do Caio esse tipo de assunto.
Simplesmente a cara dele.

Boa semana.
Cαmiilα ♥ { 2 de novembro de 2009 10:57 }
"Preciso eu mesmo tomar consciência do que sou e do que significo nessa brecha de tempo"
Frase perfeita de Caio F.


Ai meu querido, seu texto (como sempre) me faz refletir, muito.
Consciencia, em todos os sentidos, é o que precisamos.


BeijOs
Vanderson { 4 de novembro de 2009 23:00 }
who am i?
tô procurando saber!!
Ana { 28 de novembro de 2009 17:16 }
Bem que você podia voltar.

Bem que podia.
[ rod ] ® { 16 de dezembro de 2009 14:53 }
por onde andas meu caro?
Pollyanna { 20 de dezembro de 2009 16:55 }
Bem que você podia voltar.
Bem que podia. (2)